117771433_348376553000232_45358982495676

MARCIANE

| PRECIOSA |

"A LUZ  QUE EU TENHO, O BRILHO QUE EU TENHO, FAZ DE MIM UMA ESTER DA VIDA, DE  NÃO DESISTIR  DAS COISAS, DE  INSISTIR, DE  CORRER ATRÁS. DE NÃO SER APENAS  MAIS UMA MULHER  NO MEIO  DE MUITAS.

 

"EU ME CONSIDERO UMA 

MULHER MARAVILHA”

PROJETO  DE  DEUS

 

No dia 25 de Fevereiro de 1982, nascia em Vitória, Espírito Santo, Marciane Pereira dos Santos. Em uma família numerosa de sete irmãos. Por um triz, Marciane foi quase a filha caçula, mas não deixa de ser caçulinha. 

 

"A minha infância foi uma infância gostosa, mas ao mesmo tempo, uma infância triste. Mas eu colocava aquela tristeza como alegria nos momentos em que eu podia brincar, correr e jogar bola. Jogava bolinha de gude, aprendi a fazer pipa, brincar de pique-pega, pique-esconde, queimada, pular corda...ufa! Era tanta brincadeira que eu não sabia qual eu queria. Cair, engessar um braço, subir na árvore pra pegar manga, isso é normal, coisa de criança feliz. Coitada da minha mãe que tinha que lavar as roupas depois, mas foi uma infância gostosa. 

 

Os momentos tristes são as marcas da VIOLÊNCIA SOCIAL. Marciane morou debaixo da ponte com seus irmãos e sua mãe:

 

“Porque já chegou um tempo de não termos onde nós morarmos, de comer peixe podre ( o resto), resto de feira, mas não vou morrer por isso, foi doloroso, foi sofrido, mas também não morri. Passei muitas necessidades na minha vida, às vezes, comíamos farinha com água ou com açúcar, pra inchar o estômago. Muitas vezes, minha mãe deixava de comer pra deixar pra gente. Então, quantas vezes eu vi, minha mãe trazendo as coisas, ou indo para o final da feira e meus irmãos mais velhos a acompanhavam e pegavam o restante de verduras que ficava no chão, mas sobrevivemos. O momento mais feliz era quando a gente brincava. Então, foi uma infância que eu diria: se eu tivesse que voltar, voltaria em algumas partes, outras não. Outras, eu não faria questão, não."

 

Entre tantas mudanças de casa, despejos, as ruas e as incertezas da sobrevivência, fizeram com que Marci estudasse até o Ensino Médio, “mas foi bem complicado”, porque ela vivia se mudando.

“Muitas vezes, a gente era despejado e, pra ser franca, a gente não faltava na escola por conta da merenda, de manhã pra tomar o café e ao meio dia, na hora do almoço. Mas eu consegui concluir, mesmo reprovando e repetindo de ano, tentei colar, mas acabei tirando 1, pelo menos 1. Eu poderia ter sido alguém na vida, mas a minha arrogância atrapalhou muito." 

 

 Hoje, Marciane sonha em fazer uma faculdade de “Serviço Social” ou de Psicologia. 

 

Sua relação com os pais se divide: com a mãe, foi uma relação “muito gostosa”:

 

“Ela não era de contar muitas coisas pra gente, ela escondia as coisas”, foi o que ela aprendeu da mãe dela. 

 

Marciane cresceu em um ambiente com a mãe e os irmãos, ela teve vários padrastros, mas nunca os considerou como pai, porque muitos deles “judiaram de sua mãe”.

 

“Eu nunca os considerei como pai, porque teve um que judiava da minha mãe, maltratava a minha mãe, teve um que bateu na minha mãe. Isso aconteceu quando eu era pequenininha, eu estava na fase de “trocar dente”, mas eu e o meu irmão quebramos um caixote na cabeça desse homem, ele falou que ia chamar a polícia pra gente, então a gente ficou com medo. Mas aquela cena pra mim foi muito triste. Ver a minha mãe apanhando, é uma cena que eu não desejo pra mãe nenhuma. Então, com relação aos meus pais, eu não sei como te dizer. Mas, com a minha mãe, na época que eu comecei a perguntar as coisas, a perguntar sobre o meu pai, ela dizia que o meu pai foi comido por um leão. E todas as vezes que eu tocava no assunto ela não gostava, então eu engoli essa história e fui crescendo, e o tempo foi passando. Mas Deus colocou na nossa vida um homem que não “judiava” da minha mãe, e me deu um pai, então, eu tive o prazer de ter a sensação de ter um pai. 

 

“Todo o final de semana, nós saíamos com ele pra comprar frango e ele separava um pedaço especialmente pra mim"

FOTO |  DIA  DE PRECIOSA /  EDWARD  FOTOGRAFIA 

O amor de mãe cresce em se dar. (5).png

FOTO |   REPRODUÇÃO  / ARQUIVO  PESSOAL

Na adolescência, foi bastante explorada pela mulher que se dizia sua “madrinha”. Na verdade, a tal "madrinha'' fazia da PRECIOSA uma empregada doméstica. Foi assim que ela começou a aprender a fazer faxina, pois a madrinha obrigava a fazer faxina na casa inteira, sendo bastante humilhada, tanto ela, como sua mãe. Em troca de moradia,  ela apenas colocava Marciane para trabalhar, e logo, o tempo que ela conseguia brincar eram poucos. 

 

“Eu só não fui sequestrada, porque Deus não permitiu, naquela época tinha um contrabando de crianças. Então, a  minha infância e adolescência foi dolorosa, e por mais que eu tenha que chorar por ela, eu não choro (por essa época).”

 

Marciane teve vários namoradinhos na adolescência, mas permaneceu "mocinha" até os 20 anos. Seus namorados sempre a respeitaram. 

 

Enquanto a mãe ainda estava viva, Marciane trabalhava para ajudá-la. Depois que a mãe faleceu, tentou montar um negócio, mas não conseguiu, pois teve dificuldades para gerir o dinheiro.

DO  INÍCIO  AO  FIM

Preciosa Marciane, aos 36 anos.
O amor de mãe cresce em se dar. (8)
Preciosa Marciane, aos 30 anos.

MARCIANE  SEMPRE  FOI  MUITO  VAIDOSA. 

NEGRA   E   CHEIA  DE   FÉ, 

RI ALTO,  SORRI   ALTO  

&   

NÃO   SE CANSA  DE  SORRIR

ANTES:  IMAGENS   COM   OS    SEUS  FILHOS  E   "SELF"

FOTO |   REPRODUÇÃO  / ARQUIVO  PESSOAL

FOTOS |  DIA  DE PRECIOSA /  EDWARD  FOTOGRAFIA 

ROSE  E  MARCIANE, SUA MELHOR AMIGA E CUIDADORA

ANTES:  IMAGENS   COM   OS    SEUS  FILHOS  E   "SELF"

"Jesus Cristo é tudo pra mim, é uma base espiritual que eu tenho desde o berço, e isso tudo só me fortaleceu mais ainda.  Cristo pra mim é sobrenatural e surreal. Eu convido Jesus pra comer comigo e pra dormir comigo. Cristo é algo inexplicável, a gente acredita sem vê e espera sem receber. Deus me mostrou que é possível viver depois de uma tempestade, Deus me mostrou que eu posso e consigo viver."

Bom, eu sempre fui da igreja, teve um tempo que eu me esfriei, mas nunca deixei minha fé morrer, nunca deixei de acreditar em Deus. Mas Deus nunca me disse, tipo: “Ele vai melhorar”, “Continua orando, porque ele é o homem da sua vida”, “Vocês tem planos e futuro”,

“Ele é o homem que eu escolhi para casar com você, não, Deus nunca me disse essas coisas e na igreja eu quase não conversava esses tipos de assunto, porque estava começando na igreja e eu nunca fui muito fã de falar. 

COMO  TUDO  ACONTECEU

Sua filha nasceu de 5 meses e o filho de 7 meses, ambos prematuros. A filha mais velha  nasceu com muitas complicações e o pai a abandonou quando a criança tinha 3 meses de vida. Já o filho, mesmo sendo prematuro, não teve muitas complicações “Graças a Deus”, o pai, na época, não aceitava a criança, pois alegava que o filho não era dele. Inclusive, ele a agredia verbalmente.

 

“Me xingando, me ofendendo, aquela perturbação”. 

 

A Manuela, sua filha mais velha, presenciou toda a cena do  crime.

 

“Hoje a gente tenta evitar de conversar o que passou, pra que ela não fique focada naquilo, pra que ela não fique  visando as mesmas coisas”. Já o filho mais novo  não tem noção do que aconteceu, exceto em fotos. 

 

Marciane não gosta de falar sobre o assunto, só faz isso apenas para alertar outras mulheres.


 

Após o crime, Marciane teve o apoio total dos pastores de sua igreja, a Assembleia de Deus Manancial de Vida, e tem o apoio deles até hoje: 

 

“No que eu preciso, da ajuda, se eu precisar me mudar daqui para o exterior, eu acho que eles providência, eu acho não, eu tenho certeza que eles providência o carro e me leva. Então, toda a ajuda que vem deles é válida, para os meus filhos, os meus pastores estão prontos para me ajudar. O que eles não conseguir na hora, a gente clama a Deus, e Deus traz de outra forma. Então, me ajudou muito e eu acho muito importante, mas reforçando, quando confiar, não confia só no homem, confia em Deus, porque Deus vai te instruir melhor, porque o homem pode falhar, meus pastores podem falhar comigo, mas se no momento eu confiando em Deus, eu vou me decepcionar menos, porque Deus já me falou, já me alertou e já me avisou. 



 

 Realmente, perdoei. perdoei e continuei. Mas, não, não amava ele, não gostava dele, eu só não conseguia entender o porque eu não saia (da relação), o porque eu continuei, porque eu já não amava, não gostava, eu não sentia nada por ele, eu não sei se era a companhia dele, eu não sei. E eu perdooei, mas é aquilo, eu achava que ele ia mudar, ele dizia “desculpa, amor, eu bebi”, “desculpa, eu te amo, foi mal, eu não consigo ficar sem você, eu tenho raiva de você, mas eu te amo muito”. Mas eu já não amava, eu já tinha perdido o amor por ele. 


 

Marciane teve 40% do corpo queimado, ficando entre a vida e a morte. passou 5 meses internada em coma induzido. Sofrendo várias paradas cardíacas e, para a família,  o desengano dos médicos. Mas, o  “Médico dos Médicos não desistiu de Marciane”. Há 2 anos, ela comemora a sua data do seu novo nascimento, dia 2 de Setembro, o Dia que ela saiu do Hospital para ter uma nova vida. 

 

No mesmo dia, a Preciosa Marciane o perdoou.

 

“Eu perdoei ele sim. Eu perdoei ele depois que eu saí do Hospital, no momento que eu descobri que eu estava viva. Por que eu perdoei? Pra me libertar”.

FOTO |  DIA  DE PRECIOSA /  EDWARD  FOTOGRAFIA 

  MARCIANE   E   SEUS   FILHOS 

Hoje, Marciane faz parte de um coletivo de mulheres contra o feminicídio, vai em passeatas, campanhas e protestos  contra a violência, realiza palestras de conscientização, foi candidata à vereadora do Município de Serra, Espírito Santo, em prol das mulheres, além de ter concorrido o "Prêmio Viva 2020", na categoria "Sociedade Civil".

 

 “O Conselho que eu deixo para as mulheres que estão sofrendo  esse tipo de violência, é que elas não se calem, que elas denunciem, que elas possam pensar mais na vida delas, se tiver filhos, pensa nos filhos.” 

128041989_1375121826164203_6060539842049
MAJ_9216_edited.jpg

FOTO |  DIA  DE PRECIOSA /  EDWARD  FOTOGRAFIA 

MAJ_9213_edited.jpg

Marciane  fez parte do "circulo de oração" do Projeto Preciosa, trazendo uma palavra

para as Preciosas

Semanalmente, o Projeto Preciosa convida pastoras, missionárias e evangelistas para trazer uma palavra ou oração profética de cura e denúncia. 

Para conferir, acesse a playlist "ORAÇÃO  PROFÉTICA" 

( Reprodução/ Youtube )

images (67).jpeg

dia    de

 pReCiosA

making off (4).png

FOTOS |  DIA  DE PRECIOSA / EDWARD  FOTOGRAFIA 

MAKING OF

PRECIOSA

RECADO

PRECIOSA

MAJ_9198_edited.jpg

FOTO |  DIA  DE PRECIOSA /  EDWARD  FOTOGRAFIA 

Todos os direitos reservados | © 2020  por  Projeto Preciosa. 

ORIENTAÇÃO   ESPIRITUAL,  JURÍDICA   &   PSICOLÓGICA 

ABENÇOE  O  PROJETO  PRECIOSA

115812777_1400609653660793_7495828153826

ENTRE  EM  CONTATO,  QUEREMOS   ACOLHER   O  SEU   CLAMOR

CONTE  SUA  HISTÓRIA!